O longo caminho de volta

Não sei se vocês sabem, mas eu estou lesionado já faz praticamente três meses. Depois de um longo ciclo treinando pesado eu acabei sentindo um certo desconforto no ombro direito, ao qual acabei não dando muita bola. Resultado? O desconforto evoluiu e virou dor. Não chegou a ser algo muito grave, desenvolvi uma tenossinovite na cabeça longa do biceps, que vem incomodando desde então não me permitindo escalar.

Como eu já lesionei duas vezes o mesmo ombro anteriormente, resolvi tirar um tempo distante dos treinos e da rocha, e tentei me tratar sozinho. Como não enxerguei resultados procurei um ortopedista, e acabei fazendo fisioterapia. Mas como das outras vezes, é frustrante fazer tratamento com profissionais que não entendem a atividade que você faz, e nem se dão ao trabalho de tentar entender. Uma dica interessante que acabei lendo em um texto norte-americano, é sempre levar imagens, vídeos, de preferência seus, para mostrar ao médico exatamente o tipo de esforço que você faz. Ficou anotado caso necessite de uma próxima vez (que eu espero não precisar).

Ainda via demorar um tempinho pra voltar a fazer isso ai (ou quase)
Ainda via demorar um tempinho pra voltar a fazer isso ai (ou quase)

Depois das sessões de fisioterapia, sentindo até uma certa piora nas dores, resolvi mais uma vez deixar de lado e tentar outra vez sozinho. A internet foi de grande ajuda nisso tudo, pois consegui ver bastante relatos de escaladores com lesões semelhantes e alguns exercícios que poderiam ajudar. Passei a fazer exercícios de fortalecimento do ombro com a Theraband dia sim, dia não, e aplicando gelo no local todo dia, pelo menos duas vezes ao dia. Quando senti o incomodo diminuir bastante, resolvi voltar ao muro de leve. Apenas travessias bem fáceis, fechando sempre com alongamento e os exercícios de fortalecimento. E parece estar surtindo efeito.

Esse final de semana escalei na rocha depois de praticamente três meses. Só fiz vias mais fáceis, sexto grau no máximo, e não senti nenhuma dor enquanto escalava. Um bom sinal. O incômodo aparecia somente na hora de fazer a segurança, motivo pelo qual já vou avisar que não vou fazer seg para ninguém da próxima vez (melhor desculpa que eu já consegui para fugir da seg :P). Foi legal voltar, sentir que ainda não estou fazendo tão feio, a técnica ainda está lá e o psicológico nem estava dos mais ruins. Só apanhei um poquinho pra fazer um sextinho bem técnico, meio aderência, com uns abaulados meio nojentinhos. Mas de resto, me senti bem escalando.

Boulder por enquanto está fora de cogitação. Os movimentos exigem demais do ombro e tentar fazer boulder agora só vai atrapalhar a recuperação. Vou tentar ficar nas vias por enquanto, sem exagerar também, até não estar mais sentindo dor ou incômodo algum na articulação. E mesmo quando parar de doer ainda vou dar um tempo antes de voltar a treinar mais forte ou fazer boulder. Mas aos poucos eu vou voltando. Dentro dos limites, sem exagerar. E assim eu vou trilhando esse longo caminho de volta para a escalada, pra quem sabe entrar numa nova fase mais cuidadosa, e livre de lesões.

Facebook Comments