Resenha: Exposure Vol. 1

O novo filme do diretor Chuck Fryberger, Exposure Vol. 1, já está disponível para download e aproveitei para conferir a nova produção. A expectativa estava grande, já que o trailer estava de suar as mãos, e a última produção do diretor tinha sido o ótimo The Network, que trouxe uma abordagem diferente da tradicional do diretor.

 

Exposure, contudo, não consegue segurar o “hype” e fica bem abaixo do que se esperava pelo trailer, e de outras produções de Fryberger. Obviamente, todo o espetáculo de imagens que o diretor já havia mostrado nos outros filmes retorna nesse. As câmeras conseguem ângulos incríveis, sempre em movimento, criando tomadas de tirar o fôlego e conseguindo transformar até uma simples caminhada no deserto em algo épico. As “forçadas”  de barra com câmera lenta em situações completamente non-sense também estão lá, mas nada que já não se esperasse de Fryberger.

O filme apresenta algumas caras novas, como o escalador “dirtbag” Mason Earle e o jovem Cheyne Lemple, assim como famosos como Dave Graham e Matt Wilder, que tem o melhor trecho do filme ao retratar um pouco sua vida de casado e pai de família. Angie Payne também tem uma boa participação como única representante do sexo feminino. Mas o filme em si, se desenrola arrastado, com trechos desconexos, que acabam antes do clímax e deixam você com a impressão de “cadê o resto?”.

Não existe nenhuma linha narrativa mínima que una os diversos trechos. São apenas pequenos episódios colocados lado a lado formando um filme de 1 hora. Claro que isso não é problema nenhum. Um dos melhores filmes de escalada que eu assisti até hoje é o Dosage IV, e ele é completamente episódico, contudo era assim que ele se vendia. Já Exposure passa uma ideia de algo realmente insano, perigoso, pessoas em situação extrema, se expondo talvez a algum grande perigo. Mas ao assistir o filme você fica se perguntando o porque do título.

Exposure Vol. 1 não é um mau filme. Tem seus momentos. Mas fica longe de ser um daqueles filmes marcantes e que você TEM que ter na coleção. Se você é um viciado em filmes de escalada como eu, talvez valha a pena ter na coleção, mas não agora. Quem sabe daqui um ano ou dois, quando ele já não estiver custando $24,99.  E com certeza, depois desse, não vou ter pressa de assistir o Vol. 2, seja lá quando ele sair.