Entrevista com Paul Robinson

No último mês de julho o escalador americano Paul Robinson esteve em visita ao Brasil para participar do Festival de São Thomé das Letras, e durante sua breve passagem, conferiu ainda alguns outros picos brazucas na companhia de Felipe Camargo, deixando alguns FAs fortes, e sedimentando cada vez mais o nome do Brasil como um destino viável para os escaladores do resto do mundo.

Aproveitei a oportunidade e entrei em contato com ele para fazer uma entrevista rápida, tentando saber um pouco mais do que ele fez aqui durante a trip e a sua impressão do bouldering no Brasil. Confiram!

Paul Robinson no Normandia V12 em Ubatuba
Paul Robinson no Normandia V12 em Ubatuba (Foto: Bruno Graciano)

Quando surgiu a ideia de uma viagem de boulder no Brasil?

Eu já queria vir para o Brasil fazia vários anos, e felizmente eu consegui realizar esse sonho nesse junho passado. 

Você já havia ouvido falar dos picos de boulder brasileiros antes de vir?

Antes de vir para o Brasil as únicas áreas que eu já tinha ouvido falar era Ubatuba e Cocalzinho.

Todo mundo diz que o brasileiro é um povo acolhedor. Baseado na sua viagem por aqui, você concorda?

Todos no Brasil são fantásticos! Eu me senti parte da comunidade escaladora no momento que cheguei no país. Um muito obrigado à todos que fizeram essa viagem a melhor possível. Eu fiz algumas grandes amizades que vão durar para sempre.

Além de escalar, você também surfa, e eu escutei que você trouxe sua prancha com você. Você conseguiu surfar e escalar em algum lugar?

Sim, quando estava em Ubatuba eu consegui surfar alguns dias! Contudo eu acho que a escalada em Ubatuba é bem melhor que o surf. 

Quais os picos que você visitou na viagem e qual foi o melhor?

Meu pico favorito foi São Bento! Os outros dois que eu visitei foram São Thomé e Ubatuba.

Paul no FA do Casa da Onça V12 em São Bento do Sapucaí
Paul no FA do Casa da Onça V12 em São Bento do Sapucaí (Foto: Felipe Camargo)

Pergunta capiciosa…como você compara os picos de boulder que você visitou no Brasil com outros que você esteve pelo mundo?

A rocha no Brasil é incrível! Eu não sabia o que esperar antes da viagem e ver por mim mesmo. Eu fiquei positivamente surpreso! 

Usando o nome do seu filme, você está sempre perseguindo o inverno (Chasing Winter). O inverno no Brasil é bom o suficiente para o bouldering ou quente demais? 

O Brasil é um pouco quente! À noite conseguimos algumas boas temperaturas para escalar, mas definitivamente nada do clima seco e frio, na faixa dos 5ºC que eu busco. 

Você escalou bastante e fez alguns FAs durante a viagem. Quais as linhas você considera as melhores que escalou no Brasil?

Eu diria que as melhores primeiras ascensões no Brasil foram em São Bento. “A Casa da Onça” e “Amarelinha” fica nesse novo setor que os locais acharam recentemente e são dois dos FA mais legais que eu já fiz.

Você está voltando pra casa deixando algum projeto que o deixe empolgado para voltar? 

Definitivamente eu vi e tentei várias coisas e estou realmente muito empolgado em voltar e tentá-los. Eu espero conseguir voltar ao Brasil ano que vem! 🙂

Parte da trip de Paul pelo Brasil foi registrada em vídeo e deve sair em breve numa nova séria com Felipe Camargo para o EpicTV.

Facebook Comments