Mundial vai apontar os primeiros atletas olímpicos da escalada

Amanhã (quer dizer, hoje pro Brasil, porque hoje já é amanhã no Japão, deu pra entender?), começa o Campeonato Mundial de Escalada em Hachioji no Japão, e quando ele terminar, no dia 21, iremos conhecer os primeiros 14 atletas olímpicos da escalada!

Quando o formato olímpico para 2020 foi divulgado, teve choro e ranger de dentes devido ao modelo combinado de disputa, mas a julgar pelos atletas inscritos para esse Mundial, a vontade de disputar uma medalha olímpica falou mais alto. Vide Adam Ondra, que foi um dos primeiros a criticar e hoje é um dos mais determinados a conquistar o Ouro olímpico. Até “colant” de Velocidade ele tá usando.

As vagas para os Jogos Olímpicos de 2020 (7 homens e 7 mulheres) vão ser definidas na disputa do Combinado, que nesse Mundial vai funcionar quase como uma modalidade a parte, do dia 17 ao dia 21, com os 20 melhores atletas no combinado das 3 modalidades disputando 8 vagas na final. Será um momento único para o esporte e para os atletas que conseguirem carimbar o passaporte de volta ao Japão no ano que vem. Mas quem serão os primeiros “Olimpianos” da escalada?

Adam Ondra e mais 6

Adam Ondra é nome praticamente certo nos jogos de 2020 (Foto: Eddie Fowke/IFSC)

Acho que é praticamente seguro apontar Adam Ondra como um dos 7 classificados nesse Mundial. Ano passado ele terminou em segundo no Combinado e vem se dedicando e treinando com o foco 100% em conseguir essa vaga olímpica.

Minha aposta é Ondra como o Campeão do Combinado, mas se isso não acontecer, é praticamente impossível ele não estar entre os 8 finalistas, e praticamente impossível ele ficar em último na final. Ou seja…

Como eu disse, serão Ondra e mais 6. Mas quem podem ser esses 6? Acho que é seguro dizer que pelo menos 1 japonês vai estar dentro, o difícil é dizer qual!

O Japão por ser o país sede, já tem duas vagas garantidas, 1 homem e 1 mulher. Portanto, respeitando a cota máxima de 4 atletas por país nos jogos, os japoneses nesse Mundial vão se estapear por uma vaga apenas. Temos ai Kai Harada, campeão de Boulder no Mundial de 2018, e Tomoa Narasaki, atual campeão da Copa do Mundo de Boulder. Os dois foram os melhores japoneses no Combinado ano passado e foram para a final, logo é bem provável que a vaga japonesa fique com um dos dois. Fico com o Tomoa, mas correndo por fora temos Kokoro Fuji, Rei Sugimoto, Meichi Narasaki e Keita Dohi, todos nomes com chances de chegar bem e brigar pela vaga.

Já temos duas vagas, faltam 5! Uma dessas deve ir muito provavelmente para Jakob Schubert. Ele foi o campeão combinado em 2018 e tem um nível sem absurdo tanto no Boulder quanto na Dificuldade. Então carimba o passaporte dele também!

Jakob Schubert deve também garantir vaga nesse Mundial (Foto: Eddie Fowke/IFSC)

Ficam restando 4 e essas vão ser mais difíceis de prever, mas creio que iremos ver o canadense Sean McColl garantir a sua vaga (talvez a única do Canadá), já que ele sempre foi um nome forte no Combinado e esse ano parece estar de volta à sua boa forma. Outro nome que acho que garante vaga ainda nesse Mundial é o alemão Alex Megos, que vem forte na Dificuldade esse ano e é o líder da Copa do Mundo até agora. O coreano Jongwon Chon é um nome que deve também garantir vaga entre os 7 no Mundial, o que me deixa apenas com 1 vaga. Essas não tem jeito, é chute e pra chutar vou chutar arriscado. Se entrar é gol de placa (tirada de futebol em blog de escalada pode?). Fico então com o francês Mickael Mawem, que ano passado foi justamente o sétimo no combinado.

Vamos ver quantos eu acerto!

Janja e mais 6

Janja Garnbret: insuperável no Bolder, insuperável no Combinado? (Foto: IFSC)

Sim, vou refazer meu título, porque esse agora é ainda mais garantido do que no masculino. Não tem outra, a eslovena Janja Garnbret já estava com a vaga nos Jogos garantida desde o ano passado. A mulher é imparável! Mas ai você chega e diz: mas e as novinhas que estão ganhando dela na Copa do Mundo? E eu respondo: a japonesa Natsuki Tani, não vai participar do Mundial. Já a coreana Seo Chaehyun, apesar de realmente estar muito bem na dificuldade, ainda não se provou no Boulder. Assim prefiro ainda ficar com as minhas fichas na Janja como 100% classificada para as Olímpiadas!

Janja dentro e quem mais? Assim como nos homens é justo dizer que pelo menos uma japonesa vai garantir vaga e essa é bem difícil. Tanto Akyo Noguchi quanto Miho Nonaka, ambas finalistas do combinado em 2018, tem chances de ficar com a única vaga japonesa em disputa (a outra já está garantida por ser país sede, lembram?), mas se é pra apostar, vou ficar com a experiência de Akyo Noguchi.

Seguimos para as próximas 5. A austríaca Jessica Pilz tem grandes chances de garantir a vaga também nesse Mundial. Ela foi terceira no combinado em 2018 e é sempre um nome forte tanto na Dificuldade quanto no Boulder. Se não derrapar na velocidade, tá dentro. A inglesa Shauna Coxsey é outra que provavelmente deve conseguir a vaga ainda nesse Mundial. Sempre forte no Boulder, a atuação dela na dificuldade não compromete e se não for muito ruim na velocidade também, tem tudo pra ficar entre as 7 primeiras. Uma aposta antiga e que agora está se confirmando é da americana Ashima Shiraishi. Esse ano ela parece ter encontrado o ritmo dela nas competições e já emplacou duas finais na Copa do Mundo de Dificuldade (e isso não é fácil no feminino heim?) e tem ido melhor no Boulder também. Acho que já vamos ver a americana carimbar o passaporte no Mundial também.

Ashima é uma das apostas desse Mundial. (Foto: Eddie Fowke/IFSC)

Temos mais duas vagas sobrando. Como sempre as últimas são as mais difíceis, são muitos nomes que podem entrar aqui, mas vou ficar com a suiça Petra Klinger e uma surpresa, a eslovena Mia Krampl. Petra já foi campeã mundial de Boulder em 2016 e foi uma das finalistas no Combinado ano passado, isso por si só já a deixa como uma forte candidata a uma das 7 vagas. Já Mia Krampl tem ido muito bem na Copa do Mundo de Dificuldade e mostrou no Boulder que também tem força para brigar com as mais fortes.

Vamos resumir então? (sem ordem de classificação, porque aí já seria demais)

Masculino: Adam Ondra, Tomoa Narasaki, Alex Megos, Jakob Schubert, Sean McColl, Jongwon Chon e Mickael Mawem.

Feminino: Janja Garnbret, Akyo Noguchi, Jessica Pilz, Shauna Coxsey, Ashima Shiraishi, Petra Klinger e Mia Krampl.

E vocês, quais são suas apostas para os primeiros classificados para os Jogos Olímpicos de 2020?

Facebook Comments